sexta-feira, 1 de maio de 2015

Virgem Maria



Altar banhado ao luar
Com porcelanas brancas
A Virgem Maria vulgar
Toma o lugar das prostitutas
Seus dedos curvam-se
Os mamilos rosados
Contrastando contra a palidez
Da pele macia que homens
Apoiavam no fim do dia
Suas cabeças e gozavam
Sobre suas coxas as deles
Suadas, fortes e rijas
A virgem gritava e berrava
Era sempre sua primeira vez
O sangue sempre escorria
Da eterna Virgem Maria.

2 comentários:

  1. Olá, muito bom seu blog. Tenho um onde coloco alguns poesias minhas, poderia dar uma olhada?
    http://wordsbyalonelyguy.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Indicado ao Prêmio Dardos
    http://varaldepoesia.blogspot.com.br/2016/01/premio-dardos.html

    ResponderExcluir