quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Ode ao Dante Negro

Cruz e Sousa por E. Dias

                                                                                Ninguém sentiu o teu espasmo obscuro
                                                                                Ó ser humilde entre os humildes seres
                                                                                Embriagado, tonto dos prazeres
                                                                                O mundo pra ti foi negro e duro
                                                                                             (Cruz e Sousa)

Dante Negro
Assim foi alcunhado o simbolista
Nascido em Nossa Senhora do Desterro
No estado de Santa Catarina

Homem de formação parnasiana
Percursor do simbolismo no Brasil
17 anos de vida e poesia
Viveu e tão rápido partiu

Com infindáveis spleens e sonetos
Que muito mais valem do que réis
Temos duas de suas grandes obras
Faróis e Broquéis

Sonoridade presente em seus versos
Aliou-se a angústia e a miséria
Longos anos viveu com o infortúnio
Desta vida, errante e tão séria

20 de Novembro, é nesta data
Que em versos homenageio o que repousa
Filho de escravos alforriados
Este foi o poeta Cruz e Sousa

Nenhum comentário:

Postar um comentário