sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Noite da Partida


                                                                             Essa obsessão cromática me abate.
                                                                             Não sei porque me vêm sempre a lembrança
                                                                             O estômago esfaqueado de uma criança
                                                                             E um pedaço de víscera escarlate                                                                                                                               (Augusto dos Anjos)

Porque no meu peito tu jazias?
Leviana de amores deletérios
Tua face ruborizada embelecia
E ao luar fazia-me mistérios

Na partida teus olhos me guiam
Iluminam-me tanto quanto um candeeiro
Teu sorriso e tua face já jaziam
Ao leve toque do sineiro

Quando nas noites sutis de primavera
O toque de tua mão me acalentava
De teu gélido busto eu estava a espera
Para tornar-me o pranto que a face enseava

O pranto por ti tão jorrado
Na noite do partir, triste tão quanto
Tão quanto a poesia de um poeta
Que soa nas vozes como um canto

Nenhum comentário:

Postar um comentário