sexta-feira, 12 de setembro de 2014

O Luar com a Donzela

                                        Ralph Albert Blakelock

                                                                              Sonha poeta, sonha! Ali sentado
                                                                              No tosco assento da janela antiga,
                                                                              Apóia sobre a mão a face pálida
                                                                              Sorrindo - dos amores á cantiga
                                                                                  Álvares de Azevedo
Nas campinas, nas várzeas e nas praças
O doce eco do louvar a ti
Minha poesia nasceu de suas graças
Mas o lirismo morre hoje aqui

Vejas envolta o clarão da madrugada
E uma cantiga que está a ecoar
Um épico de amor e harmonia
Pela pálida mais bela do luar

Digo a ti, em minha vida campestre
Hei de fazê-la sempre a poesia
Poesia, aventura mais bela terrestre
Que põe fim em toda a monotonia

Olharei a face cristalizada tua
Hei de amar este teu semblante
Sem véu, verei tua face nua
No eterno momento deste instante




Nenhum comentário:

Postar um comentário