segunda-feira, 28 de julho de 2014

Purgatório


Ó minha bela, da solidão eu parto
Ao teu encontro no teu lindo sepulcro
Vou soluçante carregando o pranto
Nesta vida, a morte há de ser meu lucro

Solitário no purgatório a tua espera
Apenso ao meu lirismo entristecido
Minh'alma a ti tanto venera
Ante a morte, tu foste o meu vício

Nenhum comentário:

Postar um comentário