sexta-feira, 27 de junho de 2014

O Jazer da Bela

                                                               













                                                              Minh'alma emudeceu na noite dela
                                                              Adormeceu a pálida esperança 
                                                              Álvares de Azevedo

 Ao esperar do melancólico cântico dos pássaros noturnos
 Ao luar junto de uma casta entristecida
 Embaixo de teu leito tão amargo
 Tua lápide me afaga a triste vida

 Entoando os mais solenes cantos de angústia
 Uma lágrima em minha face decaía
 A madrugada que chegava era bonita
 Bela era a moça que no túmulo dormia

 Passava-se as horas do mais triste dia
 A dor se alastrava em todo o necrotério
 A moça mais bela, ao meu canto jazia
 Estava em teu túmulo como o animal em biotério

 A noite se tornava dia
 O raios do sol não vinha
 A bela ao meu lado jazia
 E a madrugada virou poesia

Nenhum comentário:

Postar um comentário