terça-feira, 3 de junho de 2014

Frustração Noturna

Foto

                                                                     






























                                                                        Ninguém doma um coração de poeta
                                                                        Augusto dos Anjos

Aos lábios da amada tão querida
Na paisagem de uma triste primavera
A alegria que me tem é esvaecida
E de angústia minh'alma está a espera

Pranteio-me por causa do meu tédio
A monotonia que me tem é agonizante
O toque de seus lábios é o remédio
Que cura o meu ser tão conflitante

O sol nasce todo dia
Mas estou anafado em penumbra
A luz de meu corpo é a poesia
Quem sabe um dia eu a descubra

A acrópole de meu corpo é a mente
O coração, este um órgão extinto
O amor não me é mais inerente
É aqui que cessa o meu instinto

Nenhum comentário:

Postar um comentário