quinta-feira, 1 de maio de 2014

Lápide de Minh'amada



                                                                 












Para quê cicatriz, se a carne espera   
  Sobre o vão da ferida, mais um corte? 
                          Siba

 No frio que faz no necrotério
 Eu sinto o calor de tu'alma 
 E mesmo  tão longe de mim agora
 Um suspiro póstumo tu ainda exala

 E embriagado pelos teus lábios e tua tez
 Lembro-me de tu deitada ao leito
 Dizendo que partiria naquele mês
 E o coração rebentava do meu peito

 Estava eu anafado em dores
 Esperando acender do amor a tua chama
 Levou p'ra morte com ti os meus amores
 Meu coração foi atingindo por uma lança

Nenhum comentário:

Postar um comentário