sexta-feira, 9 de maio de 2014

Lápide de Minh'amada II

                                                                       
















                                              Pra que do nosso amor nasça a poesia.
                                                                   Charles Baudelaire


 Faço da necrópole minha casa
 E do túmulo meu trono
 E vivo esta vida amargamente
 Desejando partir pro eterno sono

 Eu vivo por ti minh'amada
 P'ra olhar a tua face bela
 Definhada de tristeza numa imagem
 Do teu túmulo, ó minha donzela

 Me alçavas olhares tão tristes
 Naquelas noites de inverno
 Vou morrer p'ra encontrar-te no céu
 Ou talvez seja no inferno

 Uma gota de pranto faz dos teus olhos um mar
 E no mar do teu pranto sou marinheiro
 Se tu está triste quero chorar
 Chorarei neste mar, embarcando num veleiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário