domingo, 20 de abril de 2014

Voyeur



Pela fechadura d'alma alheia
Indo distante assim como areia
Observo os desejos desintegrarem
Pela rede que faz a alma regrar-se

O controle faz-se presente
O suplício, eminente.



Nenhum comentário:

Postar um comentário