segunda-feira, 21 de abril de 2014

Sob ao Luar da Necróple

 
                                                                       






















                                              O silêncio é uma pedra na garganta
                                                                 Helio Henrique 


 Há quem beije lábios doces e carnais
 A mim, resta beijar o túmulo de minh'amada
 E a dor e o desespero a mais
 É o que tem de acrescentar em meu coração sem nada

 Pedi e orei todo dia pela face dela
 Mas disso nada adiantou
 Deus não sabe por quem sofro
 Por quem sofro de amor

 E andejo pela necrópole
 Buscando ao ver a pura que nunca a face me tocou
 Meus devaneios pairam numa nuvem de amor

 Espalham-se em prantos toda minha dor
 Escorre pela relva todo o meu rancor
 Por fim a tristeza, esta é um flor

Nenhum comentário:

Postar um comentário