sábado, 8 de março de 2014

Pranto

    
























 Quando a morte chegar
 Não vou ver seu lindo pranto
 Em mim escorregar
 Mas sentirei em teu torso um balanço

 Após teu choro agudo
 Meu corpo será relento
 Meu cadáver só tu p'ra perdurar
 E chorar, chorar em meu sepultamento

 Quando a morte chegar
 Vou permanecer em tua mente
 E de tão lúcida vai recordar
 Do nosso amor inerente

Nenhum comentário:

Postar um comentário