quinta-feira, 13 de março de 2014

Exu Caveira

 



















 Guarde minh'alma
 Proteja-me nesta atmosfera de quietude
 Dos magos negros que rondam meu torso
 As lembranças do viver estão a sete palmos 
 Exu Caveira, foi a ti que não pude embair
 Minto p'ras pessoas, mas tu não há de ser ludibriado
 Por traz das mentiras, sou idêntico a tu, sou osso uniforme

 Em vida tão ingênuo fui
 Em morte sou mais um teu
 Apenas mais um corpo no nada
 Que em um leito arrefeceu
 Agora é a ti que pertenço
 Nem ao Diabo e nem a Deus
 Proteja-me Exu Caveira, você é o anjo meu



Nenhum comentário:

Postar um comentário